Coisas inabaláveis

Casa alicerçada na rocha Reflexão baseada em Hebreus 12:27 

Tudo, ou quase tudo que está em nosso poder, são coisas abaláveis, removíveis, inclusive nossa própria existência, nossa vida. Isaías escreveu dizendo: “O tempo da minha vida se foi e foi removido de mim, como choça de pastor; cortei como tecelão a minha vida; como que do tear me cortará; desde a manhã à noite” (Is 38.12).

Não há nada estável sob esses céus turbulentos; a mudança está determinada sobre todas as coisas. O mercado financeiro muda a cada segundo. A bolsa de valores cai, sobe e desce. A vida é como uma eterna gangorra. O poeta Gioia Junior escreveu: “Você que está em cima, não ria de mim que desci, porque o dia que você descer, eu terei que subir”.

Exemplos na Palavra de Deus: Jó era o mais rico do oriente, mas viu as suas riquezas, fortunas e tudo mais, ser pulverizado em pouco tempo (Jó 1.1-22). O que aconteceu com Jó, pode acontecer com qualquer um dos mortais, pois são coisas abaláveis e removíveis (Salmos 11.3).

Porém, temos coisas que são inabaláveis: “… Ainda uma vez, mostra a mudança das coisas móveis, como coisas feitas, para que as imóveis permaneçam” (Hebreus 12.27). Quais são essas coisas imóveis, ou inabaláveis?

  1. A salvação. Quando falamos de Salvação, estamos falando de algo que confiamos unicamente nos méritos de Jesus (Jó 19.25-27). Ninguém, nem nada neste mundo, nem no mundo vindouro, poderão abalar isso. Nem as riquezas ou a falta delas nos tirará essa certeza de nossa salvação. Temos apenas que reconhecer que somos filhos de Deus, e poderemos dizer como disse Habacuque: “Porquanto ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não hajam vacas, todavia, eu me alegrarei no Senhor, e exultarei no Deus da minha Salvação” (Hc 3.17,18).
  2. A segunda coisa inabalável é o amor de Deus. O amor que Jesus tem por nós não pode ser afetado por nada neste mundo. Em João 13. 1 está escrito: “Ora, antes da festa da páscoa, sabendo que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus discípulos, amou-os até ao fim”. Em Romanos 8. 35, Paulo faz a pergunta: “Quem nos separará do amor de Cristo?, e conclui esse trecho sagrado afirmando: “Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor!”. (Rm 8. 39).

Podemos ver ruir, tudo o que está sob nossos pés, mesmo assim não seremos abalados, pois: “O Senhor dos Exércitos está conosco, o Deus de Jacó é o nosso refugio” (Salmos 46.11).

Que Deus nos abençoe grandemente.

Pr. Daniel Nunes da Silva