Eu vos dei o exemplo de liderança servil

Liderança servilO que um aspirante a líder pensa em ser? Se a resposta for baseada em nossa sociedade atual seria: rico, poderoso e muito bem quisto. Mas se for baseada no exemplo servil de nosso Mestre Jesus, a resposta seria bem diferente. Ele deixou-nos bem claro os objetivos do Reino de Deus, mostrando-nos que são opostos entre si. Enquanto a grandeza do reino do mundo mede pelo poder e pela fama, a de Deus é medida pelo espírito serviçal, onde nosso Senhor Jesus Cristo foi o exemplo maior, quando disse: “Pois o filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Mc 10.45).

A Palavra de Deus dá grande ênfase ao espírito servil. Kenneth C. Fleming, em seu livro “Ele Humilhou-se a si mesmo”, nos recorda que a Concordância Bíblica da Sociedade Bíblica do Brasil apresenta cinquenta referencias ao verbo “servir”, 800 ao substantivo “servo”, mais de 300 às palavras derivadas de “servo”, e ainda 130 para as palavras “escravo, escravizar e escravidão”. Deixando assim bem lúcido que as pessoas que Deus mais usa, são também as mais dispostas a serem servas.

SIRVA-SE A SI MESMO

Antigamente a arte de servir era praticada em todos os lugares. Nas lojas, supermercados, bancos, restaurantes, etc. Hoje é tudo colocado de maneira que o cliente possa servir-se a si mesmo. Essa moda de servir-se a si mesmo pegou até dentro das igrejas. Antigamente lutávamos para servir aos outros, agora queremos nos servir e sermos servidos.

Notamos pelos diáconos: não há diácono que queira ficar na nave da igreja para servir a ninguém. Quando são separados ao diaconato, procura logo um lugar ao púlpito para sentar-se e ser servido. Quer o melhor lugar, saudação com bajulações, água fria; só tá faltando o cafezinho!

Quem é o personagem principal na realização do culto? (Lógico, sem falar na trindade Santa) O ministro (1Co 4.1). Qual o significado de ministro?

  1. Vem do grego “huperetes”. Do substantivo “hupo”. Sob, debaixo, e “eretes”, um remador subordinado; servo auxiliar ou assistente.
  2. É uma palavra sinônima de “diákonos” = um servo; ministro, diácono;
  3. “doulos” = escravo, servo;
  4. “therapon” um servo, um criado;
  5. “leitorgos” = um servo público;
  6. “mithios”= aquele que é contratado para realizar certa tarefa, um servo contratado;
  7. “oiketes” = um servo doméstico.

VAI DOER, MAS VOU FALAR

Nós pastores, não mais vivemos como servos. Os nossos ternos não são mais de servos. Nossos sapatos não são mais de servos. Nossos carros não são mais de servos. Nossos púlpitos não são mais de servos. Nossas mesas não são mais de servos. Nossos gabinetes não são mais de servos. Nossas casas não são mais de servos. Por quê? Porque nós representamos uma geração de crentes que não querem mais ser servos. Eles nos dão tudo, mas não querem que lhes exijamos e nem que cobremos nada. Querem a poltrona macia para sentar, o ar condicionado para refrescar, um culto que não passe de uma hora e meia, uma orquestra bem afinada para ouvir, um sermão que de preferencia seja bem brando, pois não estão dispostos a ouvir nada que seja pesado (2Tm 4.3). E nós, entramos nessa onda! Portanto, precisamos urgentemente orar como Daniel orou (Dn 9.3-11). E digo para meus amados companheiros, com tremor e temor: Não acho que estamos dispostos a fazer isso!

Ano vem e ano vai. Há ensino todos os dias. Escolas de obreiros da melhor qualidade, mas nossos ouvidos se tornaram lisos. Alisados e untados com sebo, para não ficar nada do que ouvimos, mas escorregar tudo para o lado de fora do coração. Jesus continua perto, mas fora dizendo: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa (coração) e com ele cearei e ele comigo” (Ap 3.20).

 OS DOIS ASPECTOS DE SERVO

Ação em favor do próximo e submissão a um Senhor.

Um conceito de Fleming muito importante que não posso deixar de ressaltar é o seguinte: “O espírito de serviço cristão é o transbordamento da vida cristã em prol do próximo, assim como o culto é o transbordamento da vida cristã na direção de Deus”.

O transbordamento da vida cristã em prol do próximo. Ouçamos o apóstolo Paulo: “Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros. De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens, e, achando na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz” (Fil 2. 4-8).

  1. O primeiro aspecto é representado pela palavra grega, diáconos. É muito usada no Novo Testamento,  quase sempre traduzida como “servo”. Em alguns lugares, traduzida como “ministro” (2Co 6.4; Col 1.25). A ênfase está no serviço como ação; algo que fazemos por alguém;
  2. O outro aspecto é representado pela palavra doulos. É traduzida pela palavra portuguesa, “servo”. (Ef 6.6; 1Pe 2.16). Doulos enfatiza a ideia de submissão.

Dizia Spurgeon: “Os primeiros santos se deliciavam em considerar a si mesmos como absoluta propriedade de Cristo, comprado por Ele, e estando totalmente ao seu dispor”. Continua ele: “Paulo foi além, ao se regozijar por ter em si as marcas de seu mestre”. Paulo disse: “Desde agora ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus”. Ai estava o fim de todo debate: Ele pertencia ao Senhor. Ele obedecia ao Senhor sem restrição, pois era um escravo do Senhor Jesus.

Porém, doulos, tem apenas um significado claro: “escravo”. Alguém que pertence a um senhor. Os escravos de César eram chamados cesarianos, enquanto os escravos de Cristo foram pela primeira vez, em Antioquia da Síria, chamados cristãos (At 11.26).

Em nossas Bíblias a palavra doulos é traduzida como “servo”. Mesmo que os deveres de um servo e de um escravo possam ser coisas em comuns, há uma grande diferença entre um e outro: O servo é contratado; o escravo é comprado. Tornando-se propriedade de seu Senhor (1Pe 1.18,19; 1Co 6. 20).

O que é então ser um cristão?

  1. É ser um seguidor incondicional de Jesus Cristo (Jo 10.27; Lc 9.23);
  2. É ter uma afeição por Jesus, fidelidade, submissão a Cristo e à sua Palavra (Jo 8.31; 15.14; 12.26);
  3. É dizer ao mundo que: tudo a nosso respeito, inclusive nossa identidade, encontra-se em Cristo, porque temos negado a nós mesmos para segui-lo (Fil 1.21; Gal 2.20). “… e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim”;
  4. É ter marcas tão profundas e claras, que alguém olhando, identifique logo que somos cristãos. Não somente no exterior, mas nas atitudes, obras: fé, amor, perdão, compaixão, santidade, fidelidade, atitude, palavra, trato, pureza, etc. (Mt 26.73; At 4.13);
  5. O servo pode pedir a conta e ir embora, o escravo não, pois ele é propriedade.

PRECISAMOS APRENDER A SER SERVOS COM JESUS

Porque o Filho do Homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos” (Mc 10.45).

Aprender a servir é aprender a ser como Jesus. O espírito de serviço e o espírito de Cristo estão interligados, visto que Cristo foi um servo (Mt 11.29). Jesus está nos dizendo: Submetam às minhas instruções.

Os discípulos falaram para Jesus: “Despede-os, para que vão aos campos e aldeias circunvizinhas e comprem pão para si, porque não têm o que comer” (Mc 6. 36); ao que Jesus lhes responde: “… Dai-lhes vós de comer…” (Mc 6.37).

Jesus amava servir as pessoas, fosse purificando um leproso, curando um cego, abraçando criancinhas, salvando um pecador, ensinando a multidão. Ele era incansável em seu ministério. Tanto trabalhava que dormia no barco, enquanto atravessavam o mar da Galileia. Isso nos empolga e nos encanta. Mas, de nada vale, se nós permanecemos intocáveis em nossas casas, e não servirmos como Jesus serviu. O segredo da felicidade não está em ser servido, mas em servir. Melhor coisa é dar do que receber (At 20.35).

AS PROFECIAS SOBRE O MESSIAS COMO SERVO NO AT

  1. O caráter do Servo (Is 42.1-7);
  2. A missão do Servo (Is 49.1-9);
  3. A disciplina do Servo (Is 50. 4-9);
  4. O sofrimento do Servo (Is 52. 13 – 53.12).

Não haverá tempo para discorrer sobre todos estes textos sagrados. Conter-me-ei em falar sobre o Caráter do Servo do Senhor.

  1. Eis aqui o meu Servo…”. Nos fala que o Servo é propriedade de Deus. O texto diz que Deus o Pai, tem autoridade sobre o Servo. Jesus jamais fugiu disso. Nunca ele quis fazer a sua vontade, mas a do Pai (Lc 22.42; Jo 4.34) Veja somente no capítulo 17 de João, quantas vezes Jesus chama Deus de Pai. Mostrando assim completa submissão do Filho ao Pai. Aprendamos a submissão ao Senhor Jesus, assim como ele foi submisso ao Pai (Sal 100.3; Tt 2.14);
  2. … a quem sustenho,…”. A força do Servo não vinha dele próprio, mas vinha do Pai (Jo 14.10). Dizia Paulo: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece” (Fil 4.13), Ler (Ef 6.10; 2Tm 2.1). Os discípulos aprenderam que nada podiam fazer sem Jesus (Jo 15.5);
  3. … o meu Eleito…”. Esse foi o propósito, redimir a humanidade. Ele veio para salvação do homem (1Jo 4.14; Jo 3.16). Ele disse que a sua comida era fazer a vontade daquele que o enviou e realizar a sua obra (Jo 4. 34). Paulo disse: “…sendo obediente até à morte e morte de cruz” (Fil 2. 8b). Nós devemos aprender com Jesus, que também fomos eleitos para uma missão. Jesus disse: “Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo” (Jo 17. 18). As experiências de Paulo durante a tempestade ilustra bem esse princípio (At 27. 23).
  4. …em quem se compraz a minha alma…”. Deus demonstra que está satisfeito com a obra e o caráter do seu servo (Mt 3.17; 17.5). A igreja de Tessalônica era uma igreja que dava prazer ao apóstolo, e certamente ao Senhor Jesus (1Ts 1. 6-9). Vejamos ainda Hebreus 6. 7-11;
  5. …pus o meu Espírito sobre ele…”. Esse evento marcou o início do ministério do Servo Jesus Cristo (Lc 3.21,22). O Pai satisfeito e o Espírito descendo para ungir. A satisfação e a unção estão sempre juntas. Assim como Jesus, nós precisamos desse poder. Quando os discípulos receberam a comissão, receberam também o poder do Espírito Santo (At 1.8). Não podemos fazer a obra do Senhor apenas com recursos humanos. Não podemos trabalhar com equipamento imponente, organização excelente, e força deficiente. Temos aqui o exemplo de Davi vencendo Golias no poder do Espírito de Deus ( 1Sm 16.13; 17.10,11, 32-37, 47). De que vale um possante carro sem combustível? Como disse um homem de Deus: “ou a igreja passa por avivamento, ou passará por um sepultamento”.

ELE NOS ENSINA SOBRE A GLÓRIA DO SERVIÇO

  1. Não clamará, não se exaltará, nem fará ouvir sua voz na praça” (Is 42.2).  Serviço de autonegação. Não se autopromoveria. Não procuraria reconhecimento. Como ele foi diferente dos homens de hoje! Poucos desejam que suas realizações permaneçam no anonimato (Lc 23. 8,9). Ele disse que era manso e humilde de coração (Mt 11.29). Sabemos que a humildade não é um caminho fácil! Mas a obra que se nega a si própria é obra semelhante à de Cristo (Fil 2.8);
  2. A cana trilhada não quebrara, nem apagará o pavio que fumega…” (Is 42.3). O trabalho em favor dos outros. As pessoas são essas canas trilhadas, feridas, carregando as cicatrizes da vida. Há líderes que em vez de curar as canas, eles quebram as canas. Jesus, o servo perfeito, nunca agiu assim. Vejamos o exemplo de como Ele tratou a João Batista (Mt 11.1-5), e a Pedro (Jo 21. 15-17). Veja como Paulo tratou Onésimo (Fm 1. 10-21).

Temos muita necessidade do ministério de cura às “canas” feridas. Vidas dilaceradas, lares desintegrados. Precisamos de engessadores de canas trilhadas e acendedores de pavios fumegantes (Mt 12.15-21).

  1. Não faltará, nem será quebrantado…” (Is 42. 4a). Isso significa o seguinte: aquele que não quebra, não será jamais quebrado, e aquele que não apaga, não será jamais apagado. Ninguém conseguiu apagar a luz de Cristo, ele permaneceu como a cana inquebrável. Tentaram, mas não conseguiram (Lc 7. 39-50; 11. 53,54). O que todos podiam ver nele era apenas graça e glória (Jo 1.14). Que belo exemplo de servo para todos nós!

CONCLUSÃO

Principio a conclusão desse relevante assunto com a palavra do apóstolo Tiago, que disse: “A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e guardar-se da corrupção do mundo” (Tg 1.27). Isso é servir! Quem gosta de visitar órfãos e viúvas, principalmente estando-os em tribulação? Mas esta é a religião pura e imaculada.

Escutemos também ao profeta Isaías: “Porventura, não é este jejum que escolhi: que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo, e que deixes livre os quebrantados, e que despedaces todo o jugo? Porventura, não é também que repartas o teu pão com o faminto e recolhas em casa os pobres desterrados? E, vendo o nu, o cubras e não te escondas daquele que é da tua carne? Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante da tua face, e a glória do Senhor será a tua retaguarda” (Is 58. 6-8).

James C. Hunter, em seu livro: Como se tornar um líder servidor, ele cita Martin Luther King Jr. Quando disse: “Você não precisa ter um diploma de faculdade para servir. Não é fundamental conhecer a segunda lei da termodinâmica na física para servir. Só precisa ter um coração generoso e uma alma movida pelo amor”.

Os fariseus tinham religiosidade, aparência de piedade, mas faltava-lhes o mais importante: a misericórdia. Somente serve ao próximo quem tem misericórdia (Os 6.6; Mt 23.23).

Amados companheiros, ainda há tempo de tornarmos líderes servidores como Jesus. Esquecendo-nos de nós mesmos, e nos dedicando cada dia mais no serviço cristão, seja na oração pelos irmãos, seja na ajuda aos necessitados, seja na ministração da Palavra de Deus, seja na visitação aos enfermos. Cabe aqui uma máxima bem conhecida de todos: “Quem não vive para servir, não serve para viver”. Abraham Lincoln disse: “Quando eu faço o bem, me sinto bem”. Que o Senhor nos use.

Do vosso conservo em Cristo Jesus

Pr Daniel Nunes da Silva 

Estudo esboçado, a partir da leitura do livro: Ele Humilhou-se a Si Mesmo, de Kenneth C. Fleming,  Editora Vida.