O verdadeiro pai

Genitor, porque gerou.

Provedor, porque abastece.

Amigo, porque suporta.

Conselheiro, porque adverte.

Sacerdote, porque intercede.

Professor, porque ensina.

Pedagogo, porque conduz no caminho.

Disciplinador, porque corrige.

Exemplo, por ter caráter.

Advogado, por estar ao lado.

Juiz, porque absorve.

Agricultor, por semear amor.

Construtor, por edificar caráter.

Chofer, por guiar vidas.

Ator, por atuar no palco da vida.

Palhaço, por fazer rir, quando quer chorar.

Chora sozinho para o filho não ver.

Canta sozinho, pois suas músicas são ultrapassadas.

Sofre sozinho, para não fazer o filho sofrer.

Passa noites acordado e sozinho, para deixar o filho dormir.

Machuca-se sozinho, para o filho não se machucar.

Pega peso sozinho, para não deixar o filho pegar.

Alegra-se pelas conquistas do filho.

Chora pelas decepções do filho.

Sente a dor do filho.

Quer ficar doente no lugar do filho.

Pode até passar fome, contanto que o filho tenha o que comer.

Pode até passar frio, contanto que o filho esteja agasalhado.

Não pensa nele, mas sim no filho.

Preocupa-se quando o filho sai.

Alegra-se quando o filho chega.

Entristece-se quando não é compreendido.

Mas pronto perdoa o ocorrido.

Diz que não faz, mas acaba fazendo.

Diz que não vai, mas acaba indo.

Assim é o verdadeiro pai!

Homenagem ao meu pai, Sebastião Nunes da Silva “in memoriam”.

Pr. Daniel Nunes da Silva