Orquestra Louvores Eternais celebra Jubileu de Prata

Nos dias 25 e 26 de novembro a Orquestra Louvores Eternais celebrou 25 anos de existência com cultos de ação de graças na Congregação Jardim das Oliveiras, no bairro do Jardim Paulistano. A programação contou com a participação da membresia local e vários convidados que prestigiaram o evento.

Para os componentes mais novos, tocar na banda revela o desejo de estar diante de Deus. Com apenas 13 anos Jonas Belchior toca sax alto e expressa seu sentimento de adoração ao Senhor através da música. “Toda vez que eu toco eu sinto a presença de Deus, porque o hino fala comigo e tocar com a alma é coisa que eu peço a Deus quando eu oro”, expressou o jovem.

Esse empenho de Jonas alegra o coração de seu pai, Nilson Bazante, que vê com orgulho o saxofonista da família. “Nós o incentivamos desde o princípio, mas chega o tempo de Deus que eles estão alegres, nós também nos alegramos no Senhor por eles estarem buscando mais e mais se aperfeiçoar e louvar a Deus de todo o coração“.

Orgulho também para Maria da Penha Félix, que vê em seus filhos a realização de um sonho. “Quando eu me converti aqui na igreja, que ouvi a banda tocar, ela me tocou profundamente, e eu tinha um sonho de um dia ser componente, participar da orquestra, mas eu não pude realizar esse sonho, porem meus filhos Marta Verônica e o Alcindo Neto são participantes da orquestra”, falou.

Além de alegrar sua mãe, o clarinetista Alcindo Félix falou o que representa a orquestra para sua vida. “Eu posso tocar para Deus e isso me deixa feliz é isso o que me move. Para mim, eles são uma família que me acolheu desde que eu cheguei”.

Um dos fundadores foi Damião Pereira. Trombonista desde sua fundação, o músico continua tocando e faz parte da diretoria da orquestra desde que começou. “A orquestra começou com o maestro Ivaldo Amado, nosso irmão Goré, que chegou aqui como convidado para o culto, ele gostou de ver eles tocar e chamou as pessoas para começar a aprender musica. E nessa época a minha esposa começou a aprender o bombo, eu já tocava trombone e fiquei acompanhando ela. Daí a gente comprou umas flautas, e comecemos a orquestra”, disse.

Ao lado de sua esposa, Hozábia Lucena eles trilharam vários caminhos com a banda. Atendendo convites, tocando em praça pública e nas igrejas por onde passaram, tudo isso com o desejo de propagar a palavra de Deus através da adoração.

Começou comigo e meu esposo no trombone e dez flautas doce. À medida que os músicos iam se desenvolvendo essas flautas era substituída por piston, sax, clarinete, da escolha de cada componente. E assim a banda foi crescendo e chegou até hoje como está. Na época eu e meu esposo tínhamos um chevette  e a gente saia em vários bairros pegando os músicos nas Malvinas, Pedregal, Jardim Borborema, e hoje eu olho para trás e vejo como Deus abençoou”, completou.

Os tempos passaram e novos músicos foram chegando. Há cinco anos sob a direção do maestro Edmundo Dantas, um desafio a mais: introduzir novos repertórios e instrumentos, fazendo a antiga banda se tornar uma orquestra de sopro.

Nós tínhamos uma banda tradicional, de desfile, tocávamos dobrado, no geral eram hinos da harpa e o repertório antigo, do primeiro regente dessa banda Goré e ai quando a gente assumiu, fizemos uma proposta à direção da banda. Eles concordaram e a gente pode mudar o nosso estilo aqui, estamos mudando devagarzinho, devagarzinho não é fácil, mas a gente devagarzinho chega lá”, explicou o maestro

Atualmente a orquestra Louvores Eternais conta com 40 componentes que se esforçaram para proporcionar o melhor de Deus na festividade. Com um grupo basicamente formado por jovens, o maestro viu a necessidade de investir na nova geração, estimulando os componentes com louvores bem animados.

O maior desafio é que desses 40 componentes, 90% são jovens. Então você sabe que o jovem não se contenta com uma coisa uma vez só por semana, um ensaio. É preciso segurar o jovem dentro da igreja e de certo modo a gente traz essas musicas mais animadas, que é para o jovem se sentir desafiado e dizer assim: eu quero ficar nessa banda”, destacou Edmundo.

E com um incentivo desses, os músicos comemoram a data com ações de graças, aprendendo a adorar a Deus não apenas com seus instrumentos, mas com suas vidas. Como destacou o pregador no encerramento da festividade pastor Alexandro Felizardo.

Eu tive o privilégio de conhecê-los há certo tempo e essa é uma oportunidade de ouvir a musica de uma maneira diferente. Eles tocam não somente pelo objetivo maior que é louvar a Deus. Mas o que acontece durante o processo que é adorar a Deus juntos, através de uma leitura bíblica, de adoração, de momentos que eles tem, então é uma alegria, uma satisfação muito grande de estar aqui e poder participar desses 25 anos com eles”, disse o pregador.

Alegria também para a liderança que tem visto o sobrenatural de Deus na história da orquestra e na vida de cada um que emite esse som de adoração.

“O meu sentimento é de ver a mão de Deus nessa banda. Porque eu digo sempre a eles, de mim vocês não vão ter nada. Eu não sou músico formado, Deus colocou essa capacidade, essa condição na minha mão, e cabe a mim multiplicar esse talento que Ele me deu. O meu anseio hoje é de dizer assim: sou muito grato a Deus porque eu vejo nessa banda, a mão do Senhor”, lembrou o maestro.

Reportagem: Leonarda Barros
Imagens: Joilson Santana / Arquivo da Orquestra Louvores Eternais