UFAD comemora 73 anos do Círculo de Oração

Ao longo de sua trajetória o Círculo de Oração da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Campina Grande (IEADCG) tem sido uma das marcas da denominação. Presente em todas as congregações da cidade, o ministério da intercessão é liderado por mulheres que levam consigo um legado de fé e perseverança.

A pioneira desse trabalho em solo campinense foi a irmã Luiza Sylvestre (In memorian), que em 1944 iniciou os primeiros grupos de intercessão na cidade. Antes desse período, Luiza também já tinha aberto Círculos de Oração em outras localidades como,  por exemplo, em Carpina (PE), sendo ainda dirigente em Recife e em São Paulo. Esposa do saudoso pastor Silvino Sylvestre, ela exerceu um papel importantíssimo em seu ministério, marcando para sempre as gerações que a sucederiam.

Para celebrar a data, a União Feminina da igreja (UFAD), promoveu durante os dias 13 e 14 deste mês o Congresso de Mulheres. No evento estiveram envolvidas todas as componentes do Círculo de Oração local, que em clima de confraternização prestaram culto em ação de graças por mais um ano de vitórias na presença do Senhor.

Participante de longas datas, Dulcinéa Farias, que hoje atua como coordenadora desse trabalho na Área Oeste da Campina, mantém viva as lembranças de quando deu seus primeiros passos no Círculo de Oração. “Sempre fui muito envolvida com a oração desde criança que eu sempre acompanhava minha avó, que era dirigente de Círculo de Oração, e desde os meus 3 anos de idade eu já convivo com o Círculo de Oração. Então, hoje estar aqui é um motivo de muita alegria e gratificação para a minha vida”, lembrou.    

A cada ano, a liderança da UFAD juntamente com o pastor presidente Daniel Nunes da Silva escolhe um tema para a festividade. Este ano, foi promovida uma programação com enfoque na unidade e na constância da súplica. Ao ver o Espaço de Eventos tomado por mais de oitocentas mulheres, a supervisora da UFAD, Kátia Nunes, se sentiu satisfeita ante as evidências do poder de Deus. “Esses dias a gente sentiu de perto a presença de Deus. Eu me surpreendi por Deus ter feito tantas coisas em nosso meio e trazido tantas irmãs. Todo ano nós temos esse trabalho, mas este ano ele foi diferente, e eu só tenho a agradecer ao meu Deus, eu não sei nem como agradecer a Ele”, expressou.

Na noite da última quarta-feira (13), a abertura do congresso foi marcada pela encenação de um jogral envolvendo boa parte da liderança feminina, que com ousadia representou os valentes de Deus que marcham avante na batalha espiritual. “Nós ali representamos aqueles que não temeram, àqueles que enfrentaram e para enfrentar tinha que ter tocha, tinha que tocar as buzinas. Então, eu louvo a Deus porque eu ali simbolizava um dos valentes, um dos que não temeram”, comentou Elsa Josane Gonçalves, coordenadora do Círculo de Oração na Área Leste.

Quem esteve presente no primeiro dia foi o cantor Jamenson Luiz (PE), que interpretou canções que marcaram época. “Para mim é uma honra muito grande, uma alegria poder participar de forma direta deste evento. Me sinto honrado porque nasci no evangelho, ali no Recife, e o primeiro hino que eu cantei foi no Círculo de Oração ainda com 9 anos de idade, faz alguns dias já”, recordou o intérprete.  

Com base na temática da festa, o pastor presidente Daniel Nunes da Silva, enfatizou a necessidade de a igreja manter-se unida e perseverante em oração. “O tema ele mostra que união e oração trazem vitória. É verdade, não adianta orar sem união, e nem tampouco estar unido sem oração. São duas coisas que são básicas no verdadeiro avivamento, e eu falei esta noite exatamente sobre isso, as bases, o resultado do verdadeiro avivamento: união e oração. Falamos do entranhável afeto. Então, houve realmente muita reconciliação, muito abraço, muito sorriso, muita alegria eu tenho plena certeza, foi emocional, mas foi espiritual o que Deus fez nesta noite”, pontuou o ministro.

No dia 14, a programação seguiu no turno da tarde, com a participação da irmã Vânia Nunes, vinda da cidade de Monteiro (PB). Em sua ministração, ela convocou as mulheres a manterem o fervor espiritual na Obra de Deus. “Essa chama ela começou no dia de Pentecostes, e Deus veio avivando, trazendo, e hoje Campina Grande está com esse Círculo de Oração que é uma bênção, um batalhão de mulheres de fé, que oram, que louvam, que adoram. Então, nós só temos que agradecer a Deus que a Ele seja toda honra e toda a glória”, compartilhou a pregadora.

Pela primeira vez na cidade, a cantora Salete Silva (PE) foi uma das convidadas a adorar ao Senhor. “A gente tem passado o que Deus coloca em nosso coração, porque são simples os louvores, mas sentimos a graça de Deus através deles, da adoração. A adoração ela chega também no Céu, e é isso aí, a gente tenta dar o melhor para o Senhor Jesus através da adoração”, disse a cantora.

Na noite de encerramento, o evangelista Elisjanai Santana (PE) destacou a atuação das mulheres da Bíblia e a história do Círculo de Oração no Brasil. “Tudo começou com a promessa. Começou com a enfermidade de Zuleide, conhecida carinhosamente como ‘Leidinha’, filha da irmã Albertina, e a partir dali iniciou-se o trabalho de  Círculo de Oração, seis de março de 1942, lá na ‘Casa Amarela’, Recife – PE, se espalhando por todo o Brasil, chegando também aqui em Campina Grande, onde tem mulheres unidas, que oram, e que nesta noite alcançaram vitória”, contextualizou o pregador.

Reportagem: Victor Posse
Imagens: Vitórya Fotografias  

Compartilhar é se importar!