IEADCG participa de Audiência Pública do PL 582/2017

Com cartazes e apitos mais de 300 pessoas estiveram na Câmara de Vereadores de Campina Grande na sexta-feira (15) em uma audiência pública para discutir o projeto de lei que proíbe o ensino da ideologia de gênero nas escolas do município.

Segundo o autor da propositura, vereador Antônio Pimentel, o PL 582/2017 proíbe o ensino de ideologia de gênero através de cartilhas, panfletos e filmes no ambiente escolar. “Nosso projeto é constitucional, baseado em estudos científicos. A ideologia de gênero não tem nenhuma base científica que a sustente. Então, o que nós não queremos é que transforme as nossas escolas em laboratórios, muito menos transformar nossas crianças em cobaias, isso não vamos permitir”, disse o vereador.

Apesar do tumulto formado na galeria em alguns momentos, a reunião ocorreu de forma democrática ouvindo vários representantes da população que apresentaram seus respectivos argumentos. “Eu estou aqui para levantar a minha bandeira em favor da família. Assim como mãe de dois filhos eu também luto contra isso em tantos lugares que vou. Quantas crianças já estão com problemas psicológicos, já estão sentindo choque da ideologia e nós estamos aqui para dizer não a isso”, destacou a missionária Jocelma Cenise.

Representando o Clube de Mães de Campina Grande, Betânia Luz também apresentou a opinião do grupo. “Se nós ensinarmos o que é certo para a criança, a gente vai estar ensinando o que a Palavra de Deus diz: ‘Ensina a criança no caminho em que deve andar’, e se nós ensinarmos o caminho que deve andar, que é a Bíblia Sagrada, que é o caminho certo, então a gente vai ver verdadeiros adultos que respeitam, adultos seguros, adultos estruturados”, disse.

Pedagoga há mais de 25 anos, Gláucia Maria Leal entende que apresentar a ideologia de gênero ao público infantojuvenil pode causar sérios danos, de curto e longo prazo. “À medida que essa ideologia entra nas escolas cria-se confusão na cabeça das crianças, porque elas ainda são imaturas, elas não têm um cognitivo intelectual, emocional, social, para compreender toda essa gama de informação. Então, é recomendável sim que futuramente elas possam ter consciência do tema, mas na idade em que elas estão infantojuvenil, a criança não tem condições ainda de ter essa maturidade para conhecer acerca da ideologia de gênero”, informou a pedagoga.

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Campina Grande (IEADCG) também teve oportunidade de se pronunciar. Através de uma carta aberta o presbítero Jean Pierre representou o pastor Daniel Nunes da Silva e todos os assembleianos em favor do PL 582. “A igreja defende a posição da família tradicional, nós temos argumentos suficientes: teológicos, científicos e no campo jurídico que a ideologia de gênero é totalmente danosa à sociedade de uma forma geral, além de prejudicar a sociedade ela traz uma série de conflitos que certamente não são bons, e que podem prejudicar ainda mais aqueles que aderem a esse tipo de ideologia”, falou o presbítero.

Diante das representações religiosas e institucionais, o vereador Alexandre do Sindicato acredita que a audiência pública foi fundamental para encorajar a aprovação do projeto de lei. “O trabalho das igrejas hoje aqui, a presença da Assembleia de Deus foi fundamental nesse projeto. O apoio do Pastor Daniel Nunes, das igrejas cristãs, católicas também, as comunidades, hoje nessa tarde na Câmara de Vereadores, tudo isso foi muito importante para que essa pressão faça com que os vereadores não recuem”, concluiu o vereador.

Diante das opiniões apresentadas, o autor da propositura acredita que a votação vai ocorrer de forma consciente e democrática, entendendo que o projeto contribui para a formação benéfica das crianças. “O projeto entrará com pauta para a votação na próxima terça-feira (19), e os vereadores que já estão aqui e já conhecem o projeto, vão analisar as falas de todos e vamos votar com consciência e certamente eu peço que votem preservando a família”, disse Antônio Pimentel.

Reportagem: Leonarda Barros
Imagens: Veneziano Gonçalves

Compartilhar é se importar!