Cri, por isso falei

Eu creio que aquele que recebeu a Jesus como Salvador, e o ama de todo coração, tem um profundo amor pela obra missionária. Entendo que o crente salvo fará até coisas que estão fora de seu alcance, para que o Evangelho de Jesus chegue aos corações dos homens perdidos. Disse Paulo: “Porque se anuncio o Evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim se não anunciar o Evangelho” (1Co 9.16). Há uma obrigação imposta no coração daqueles que receberam a graça maravilhosa de Cristo, em propagar essa graça. Disse Jesus: “…de graça recebestes, de graça dai” (Mt.10.8).

Creio de todo meu coração, que o Evangelho sem o poder sobrenatural, não passa de mera filosofia. No tempo dos apóstolos, já haviam esses filósofos que pregavam apenas a ciência da letra, mas não tinham poder em suas palavras. Vejamos o que disse Paulo: “Mas, para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus” (1Co 1. 24), e mais “Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado” (1Co 2.2), e ainda “As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais” (1Co 2.13). Infelizmente, hoje em dia, permanecem ainda, aqueles que querem compreender o Evangelho de Jesus, apenas pelos meios científicos e filosóficos. Esse evangelho não muda a vida de ninguém. Pode até parecer sedutor, elegante, mas é sem vida, vazio.

Creio também, que os dons espirituais estão em plena evidencia. Não há nenhum lugar nas Escrituras, onde possamos ter um respaldo hermenêutico e exegético sadio, que nos aponte que os dons do Espírito Santo tenha perdido a sua eficácia. Há, disso sabemos, àqueles, que tentam, com suas falácias exegéticas, de todos os modos, desestimular os crentes nos dias atuais, que não busquem mais esses dons. Eu diria que é uma luta inglória; pois batalhar contra o Espírito Santo, é malhar em ferro frio. Veja a simples, mas brilhante resposta de Gamaliel ao conselho dos judeus quando começaram a lutar contra os apóstolos do Senhor: “Mas, levantando-se Gamaliel, doutor da lei, venerado por todo o povo, mandou que, por um pouco, levassem para fora os apóstolos; E disse-lhes: Varões israelitas, acautelai-vos a respeito do que haveis de fazer a estes homens. Porque, antes destes dias, levantou-se Teudas, dizendo ser alguém; a este se ajuntou o número de uns quatrocentos homens; o qual foi morto, e todos os que lhe deram ouvidos foram dispersos e reduzidos a nada. Depois deste, levantou-se Judas, o galileu, nos dias do alistamento, e levou muito povo após si; mas também este pereceu, e todos os que lhe deram ouvidos foram dispersos. E agora digo-vos: Dai de mão a estes homens, e deixai-os, porque, se este conselho ou esta obra é de homens, se desfará, mas, se é de Deus, não podereis desfazê-la, para que não aconteça serdes também achados combatendo contra Deus (At 5. 34-39). Lutar contra aqueles que buscam o poder sobrenatural de Deus. Aqueles que creem, buscam e recebem os dons espirituais, é lutar contra Deus. A igreja do Senhor não haveria prevalecido, se não fosse esse poder até o dia de hoje. Se a igreja fosse viver apenas de filosofias, teorias, ciência da letra morta e vazia, certamente já nem se falaria mais no nome de Jesus.

O que faz com que a igreja viva, poderosa, gloriosa e triunfante continue propagando o Nome Santo do Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, não é outra força, a não ser aquela que desceu no dia de pentecostes na cidade de Jerusalém. Jesus disse: “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra” (At 1.8). O que Jesus falou, se cumpriu dali a dez dias. “E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At.2.4). A igreja não parou de buscar poder. A cada momento que os crentes se sentiam vazios, eles iam na fonte do poder: a oração. “E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo e anunciavam com ousadia a palavra de Deus” (At 4.31). Para Paulo começar a falar da palavra, ele precisou ser cheio do Espírito Santo. “E Ananias foi, e entrou na casa, e, impondo-lhe as mãos, disse: Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas, me enviou, para que tornes a ver e sejas cheio do Espírito Santo. (At 9. 17).

Cri, por isso falei.

Pr. Daniel Nunes da Silva 

Compartilhar é se importar!