16ª EBO instrui obreiros durante plenárias no Templo Central

“A graça de Deus é o fundamento da nossa teologia. Contudo, o que diz respeito à Soteriologia, a Doutrina da Salvação, e tantos outros aspectos precisamos realmente conhecer isso. Às vezes, alguém quer acusar que nós somos defensores da liberdade humana, quando na realidade nós somos defensores da graça divina que, em seu amor, liberta o homem para que ele possa crer no Evangelho”, explanou o Pr. Kleber Maia (RN) durante plenária da 16ª Escola Bíblica de Obreiros (EBO), realizada de 14 a 16 de janeiro no Templo Central da Igreja Assembleia de Deus em Campina Grande (IEADCG).

O tema ministrado por ele deu ênfase à Doutrina Arminiana, que é “uma linha de pensamento com a qual nós historicamente, toda a nossa tradição teológica, que vem da tradição wesleyana, dos movimentos de santidade oriundos da América e que chegou até o Brasil, defende essa teologia, uma teologia que vem da Reforma Protestante, porque a reforma não era unidade em todos os seus pontos. Então, teólogos importantíssimos da reforma, eles tinham esse viés que depois chamou-se Arminianismo. E nós somos herdeiros dessa tradição e estamos pregando e ensinando, porque precisamos realmente solidificar o nosso conhecimento”.

O tema geral da EBO deste ano, baseado no livro de Provérbios 1:5, trouxe à tona a necessidade do obreiro instruir-se nas Escrituras Sagradas e buscar cada dia mais crescer na graça e no conhecimento da verdade bíblica. “Sabendo que a Escola Bíblica ela se difere de cultos, difere de grandes eventos, ela é realmente um trabalho de aprofundamento, de conhecimento da Palavra. Então, olhando para esse texto de Provérbios 1:5, nós vimos realmente, aonde o proverbista ele nos fala para que o sábio possa crescer. E desta feita, escolhemos esse tema: ‘Para que seja ainda mais sábio’, e essa sabedoria não é do homem, essa sabedoria é da Palavra, a qual estamos estudando”, destacou o pastor Daniel Nunes da Silva, presidente da IEADCG.

Outro assunto proferido durante as plenárias da 16ª EBO voltou-se à Bibliologia. Ao discorrer sobre esse campo da Teologia Sistemática, o Pr. José Gonçalves (PI) pontuou a necessidade do retorno à Palavra de Deus e os efeitos produzidos por ela ao longo da história da humanidade. “Foi a Bíblia que fez eclodir a Reforma Luterana. É ela quem está por trás dos grandes avivamentos. Então, falar da Bíblia é uma coisa linda, e a gente vê o interesse da igreja quanto a aprender a respeito dela. A Bíblia fez diferença não só para os reformadores, como o próprio Lutero, que teve o contato com a Bíblia foi para ele um divisor de águas, o próprio Wesley também. Todos eles tiveram influência da Bíblia. Então, a Bíblia  é um livro importante demais para a gente minimizar”, comentou.  

Ao todo, foram 1.030 pessoas inscritas na Escola Bíblica, incluindo obreiros das igrejas filiadas e das congregações locais, além de jovens e crianças, esses últimos desfrutaram de uma programação paralela à EBO. “Hoje o evento está sendo composto mais por obreiros e esposas. Nós temos aí uma quantidade significativa de jovens, que se inscreveram, que têm uma atividade paralela, e também crianças, que são filhos de obreiros de Campina Grande e também das cidades do interior”, explicou o Pb. Waldir Walker, coordenador da equipe de inscrição da EBO.

    

Vindo do município de Fagundes, o Pb. Iran Filarim tem se envolvido nas festividades da igreja desde 2012. Em mais um ano participando dos estudos bíblicos promovidos no Templo Sede, ele enxergou na EBO a oportunidade de “aprender com os nossos professores que até então acompanhamos só pela revista da Escola Dominical ou pela televisão, e aqui nós temos o privilégio de encontrá-los pessoalmente, e isso é sem dúvidas um acréscimo em nosso ministério”.

Quem também sentiu o desejo de aprender mais da Palavra de Deus foi a coordenadora do Círculo de Oração do Setor 5 da IEADCG, Maria Menezes, que entende a necessidade de se aperfeiçoar no ensino bíblico. “Todo ano eu estou aqui inscrita para aprender e assim poder ensinar aos mais novos, porque, como a gente vai ensinar se não aprender primeiro? Para mim, o maior proveito que eu levo daqui são os estudos que nos serão úteis na nossa formação cristã”, disse.   

Com vasta experiência no campo teológico, o Pr. Elienai Cabral (DF) tomou por referência a carta do apóstolo Paulo aos Efésios 1:1-14, compartilhando com os alunos o glorioso propósito da salvação em Cristo. “Entre os vários livros do Novo Testamento, a epístola aos Efésios é a carta que melhor situa a questão do projeto da salvação de Deus, baseada em eleição e predestinação, essencialmente que são os assuntos mais discutidos no meio evangélico e eu entendo que essa carta ela elucida, ela abre a mente da igreja a um entendimento da importância dessa matéria, que é fundamental”, frisou o palestrante.

Fazendo uso de uma metodologia aplicada, o Pr. Altair Germano (PE) tratou do campo de duas disciplinas da interpretação bíblica: hermenêutica e exegese. “O conhecimento bíblico não é um conhecimento apenas para encher cabeças de saberes, mas para nos habilitar em nossos fazeres. O conhecimento bíblico precisa ser um conhecimento que realiza, que transforma. A interpretação bíblica é uma matéria extremamente prática, porque lida com a leitura e a investigação do texto bíblico, que vai ser transformado em ensino”, afirmou.

Outra palestra importante foi proferida pelo Pr. Antônio José (CE), que instruiu os obreiros por meio da Psicologia Cristã, dando exemplos práticos de como desenvolver habilidades para o aconselhamento no ministério. “Estar diante do Altar do Senhor para falar um pouco sobre a psicologia pastoral aplicada ao aconselhamento cristão realmente é uma oportunidade imperdível, de um assunto importantíssimo para os nossos dias, mesmo porque o aconselhamento cristão hoje ele é primordial, não somente no gabinete para atender os fiéis, mas também no meio dos pastores”, concluiu.


Reportagem:
Victor Posse
Imagens: Anderson Matheus

Compartilhar é se importar!