SEMAD-CGPB realiza campanha em prol da produção dos cofrinhos missionários

Criado em 1997 pela Secretaria de Missões da Assembleia de Deus em Campina Grande (SEMAD-CGPB), o cofrinho missionário vem sendo utilizado como instrumento para a manutenção dos trabalhos evangelísticos desenvolvidos pela igreja em 9 países como também no interior da Paraíba.

Segundo o Pr. Pedro Tadeu Maia, essa iniciativa surgiu diante de algumas dificuldades enfrentadas pela SEMAD, quando “lendo uma matéria de uma igreja no Estado do Rio de Janeiro mais precisamente em Niterói, e naquela matéria informava que eram utilizados cofrinhos missionários feitos de latinhas de refrigerante. Aquela ideia ali me estimulou e nós fomos de vagarinho tentando fazer e conseguimos. No começo era tudo manual e hoje, graças a Deus, a coisa está bem mais operacionalizada e nós estamos levando adiante”, relembrou o secretário de Missões da IEADCG.

Atualmente, a média de produção mensal fica na faixa de 3.500 cofrinhos. Diante da necessidade de matéria prima, a SEMAD lançou no início do ano uma campanha que visa arrecadar latinhas de bebidas em geral para suprir a demanda. “Com uma latinha a gente consegue reciclar no máximo três vezes, tendo em vista que o cofrinho amassa com o tempo de uso e depois fica difícil adesivar e restaurar a pintura também. Neste caso, percebemos que é preciso ter um estoque de latinhas para ir suprindo a renovação dos cofrinhos e como a demanda é realmente alta, nós precisamos de reservas, enfatizou o Pr. Pedro Tadeu.

Há 14 anos essa produção encontra-se nas mãos do casal Rosineide Vieira e Odílio Almeida, que têm reservado um espaço em sua casa como oficina para dar forma a esse instrumento importantíssimo na Obra de Deus. Foi a partir de 2005 que eu tomei conta desses cofrinhos. Eu faço a tampa, pinto e os encaminho para o Templo Central, e lá eles colocam o rótulo para assim posteriormente, no primeiro domingo de cada mês, os agentes de missões distribuírem em suas respectivas congregações”, contou Rosineide Veira.

      

Destinar as moedas para o cofrinho missionário já se tornou um hábito no lar do evangelista Odílio que, juntamente com sua família, tem sido ricamente abençoado através dessa atitude de fé. “Desde que começamos a fazer o cofrinho, na verdade, nós somos contribuintes do cofrinho, porque eu fazer os cofrinhos, saber para o que eles vão servir e eu não contribuir, não valia de nada. Então, para mim é um prazer contribuir nesse sentido e também na fabricação deles. Quando eu coloquei tudo o que eu tinha dentro do cofrinho pude enxergar o agir de Deus no mesmo dia, à tarde, quando chegou um cliente para eu fazer uma cobertura e as portas foram se abrindo”, testemunhou.  

A produção de cada cofrinho custa dois reais. De aço ou alumínio, as latas utilizadas passam por várias etapas até chegar à fase final do processo. Por meio dessa estratégia evangelizadora, a IEADCG tem cumprido o Ide de Cristo em países como Argentina, Bolívia, Índia, Jordânia, Paraguai, Peru, Portugal, Uruguai e Equador.

Em vídeo gravado com exclusividade ao Programa Mensagem de Esperança, o Ev. Petrúcio Pessoa, missionário da IEADCG na Europa, reforçou a importância de se investir na poupança missionária. “Saibam que esses cofrinhos, as poucas moedas ou as muitas moedas que são colocadas lá têm chegado aqui em Coimbra. Os irmãos, não sei se os irmãos sabem, mas certamente sabem avisados pelos Secretários de Missões, os agentes de Missões, que o custo de vida na Europa é muito alto, muito alto mesmo, e são esses cofrinhos, essas moedas de cinco, dez, vinte centavos, um real que têm chegado até  aqui”, assegurou o evangelista que aproveitou para externar sua gratidão ao casal envolvido no processo de fabricação dos cofrinhos: “Eu louvo a Deus pela vida, irmão, que Deus lhe abençõe, fortaleça os seus caminhos e dê tudo aquilo que o irmão deseja em seu coração. Continue assim, se dedicando à Obra do Senhor, que o seu trabalho não é em vão. Um abraço forte, irmão Otto, abraço irmã Neide, que Deus vos abençõe. Saiba que nós, que a esposa do missionário Petrúcio, Gilza, Emanuel, e o outro rapaz que deve nascer em julho são muito gratos pelo seu trabalho, pela sua dedicação à Obra missionária”.

Após ter assistido a essa mensagem, a irmã Rosineide sentiu-se grata a Deus, uma vez que “ter o nosso trabalho reconhecido pelos pastores, que eles veem que a gente faz com tanto amor e carinho para eles e para nós também. Uma honra! Foi uma honra para nós.”

O Ev. Odílio também fez questão de expressar o que sentiu ao se deparar com a mensagem que lhe foi direcionada. “Se o missionário se lembra da gente, quanto mais Deus. Eu quero agradecer ao evangelista Petrúcio e sua família como a todos os missionários que têm recebido essa bênção”, disse.

E para quem também deseja se unir a essa causa, seja através da poupança missionária ou da doação das latinhas, o pastor Pedro Tadeu faz o convite. “Quem já possui cofrinhos em casa e queira contribuir com as latinhas pode procurar qualquer uma de nossas congregações, são 105 aqui em Campina Grande, ou se dirigir diretamente ao Templo Central , na a SEMAD. Nós agradecemos muito a participação de cada um  que já tem se envolvido para continuemos a produzir os cofrinhos missionários, finalizou o Pr. Pedro Tadeu.

Reportagem: Victor Posse
Imagens: Veneziano Gonçalves / Leonarda Barros

Compartilhar é se importar!