A importância da perseverança para o salvo em Jesus

Perseverança é a qualidade de quem persevera, insiste e tem constância no que faz. Começar, muitos começam; mas, terminar é para poucos. Quando se trata do Evangelho, a coisa fica ainda mais difícil, pois Jesus, nosso Mestre por excelência disse que o caminho é apertado, e a porta é estreita e são poucos os que vão entrar por ela. Vejamos na Palavra: “Porfiai por entrar pela porta estreita, porque eu vos digo que muitos procurarão entrar e não poderão” (Lc 13.34); “Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem” (Mt 7.13,14). Portanto, perseverança na vida de um crente salvo é preponderante para que ele vá até ao fim.

Vejamos alguns exemplos de perseverança:

  • ENOQUE. Enoque perseverou até ao fim andando com Deus (Gn 5. 21-24). Enoque que foi transladado para não ver a morte, como nos fala o escritor aos Hebreus 11.5, é símbolo da igreja perseverante que será arrebatada antes da grande tribulação (Mt 24.13). Disse o Senhor a Igreja de Filadélfia: “Como guardaste a Palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre o mundo, para tentar os que habitam na terra” (Ap 3.10). – 3ª estrofe do hino 26 da HC.
  • PERSEVERANÇA DE JOSUÉ EM SERVIR O SERVO DO SENHOR, MOISÉS (Ex 33.11). Enquanto os outros viam de longe o serviço que Moisés prestava para Deus, a Bíblia nos diz que Josué não se apartava da tenda. Josué é símbolo da Igreja que espera Jesus trabalhando em sua Obra (1Co 15.58). O hino 115 da HC.
  • A PERSEVERANÇA DE JOSUÉ E SUA FAMÍLIA EM SERVIR AO SENHOR (Js 24.15). Josué aqui já estava velho (Js 13.1). A velhice, ou como chamamos hoje, a terceira idade, não deve ser obstáculo para falta de perseverança nos caminhos do Senhor. Josué porém, permanecia fiel ao seu princípio de fé: “… porém, eu e a minha casa, serviremos ao Senhor”. Josué e sua família simbolizam aqui, a igreja formada por famílias, que aguardam, sem abandonar seus princípios de fé a bem-aventurada esperança da vinda de Jesus (1Tm 1.5).
  • A PERSEVERANÇA DE ELIZEU EM SERVIR ELIAS (2Rs 2.2,4,6,9-14). Elizeu não concordou em ficar parado em lugar nenhum. Elias disse três vezes para ele: Fica-te aqui que eu vou a Betel; fica-te aqui que eu vou a Jericó; fica-te aqui que eu vou para o Jordão. Elizeu, as três vezes, disse: “Vive o Senhor, e vive a tua alma, que te não deixarei”. Isso se chama perseverança. Há porém uma palavra muito forte de Elias para Elizeu: “Se me vires quando for tomado de ti”. Elizeu viu. Viu por quê? Porque estava apercebido ao sinal que haveria. Elizeu é símbolo da igreja que espera Jesus de olhos abertos aos sinais proféticos, que antecedem a volta de Jesus (Lc 21.25-28).
  • A ORDEM DE DEUS A DANIEL. O Senhor disse ao profeta Daniel: “Tu, porém, vai até ao fim; porque repousarás e estarás na tua sorte, no fim dos dias” (Dn 12.13). Na Nova Versão Internacional diz: “Quanto a você, siga o seu caminho até o fim. Você descansará e, então, no final dos dias, você se levantará para receber a herança que lhe cabe”. Salomão disse: “Melhor é o fim das coisas do que o seu princípio” (Ec 7.8 – ARA). Os apóstolos Paulo e João nos exorta à perseverança (1Co 15.1,2; 2Co 13.5; 1Jo 2.28).
  • VAMOS AO TEXTO DE HEBREUS. O pastor José Gonçalves, diz que a Carta aos Hebreus, é a carta mais arminiana que existe. Bom é examinar as Escrituras, como faziam os bereanos (At 17. 10,11), e por isso foram chamados de “mais nobres”, e não ficar repetindo como papagaio aquilo que ouve, sem um exame cuidadoso e minucioso das Escrituras. As falácias de que crente não pode cair da graça; uma vez salvo, salvo para sempre, não resiste um exame sério da carta aos Hebreus. Vamos saber o porquê.
  • “Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo (He 3.12 – ARC); “Tendo cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo” (ARA); “Portanto, tomem cuidado com seus próprios corações, irmãos, para que não se tornem maus e incrédulos, levando vocês para longe do Deus vivo” (Bíblia Viva). Esta expressão pode ser comparada com Efésios 2.13.
  • A palavra apartar – ARC; separar – ARA; levando para longe – BV, vem do grego “afhistêmi”, e suas variantes, “apostenai”, “apostau”, “apostasia”, que significam: arrastar, instigar a revolta, desistir, desertar, partir, despencar, evitar, retirar-se. Significa que, caso nosso coração se torne infiel, ele, o nosso próprio coração, como diz a Bíblia Viva, pode nos instigar, coagir, a sermos infiéis ao Deus vivo, abandonando a sua aliança. Há um termo semelhante no livro de Atos do Apóstolos 5.37, onde diz: “Depois deste, levantou-se Judas, o galileu, nos dias do alistamento, e levou muito povo após si; mas também este pereceu, e todos os que lhe deram ouvidos foram dispersos”.
  • Esse termo afhistêmi aparece em Atos 15.38, no sentido de abandonar, desertar: “Mas a Paulo parecia razoável que não tomassem consigo aquele que desde a Panfília se tinha apartado deles e não os acompanhou naquela obra”.
  • Mas esse termo também tem o sentido de apostasia mesmo, no sentido de revoltar contra. Em Lucas 8.13 diz: “E os que estão sobre a pedra, estes são os que, ouvindo a Palavra, a recebem com alegria, mas, como não tem raiz, apenas creem por algum tempo e, no tempo da tentação, se desviam. A palavra grega “apostasion” tem também o significado de “acta de divórcio”. Em 1ª Timóteo 4.1 diz: “Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios“.
  • Aqui neste capítulo 3 de Hebreus, o escritor usa a experiencia da rebelião do povo de Israel, para exortar aos crentes judeus, a não se apartarem do Deus vivo. No capítulo 2.1-4, ele já havia começado essa exortação, quando disse: “Portanto, convém-nos atentar, com mais diligência, para as coisas que já temos ouvido, para que, em tempo algum, nos desviemos delas. Porque se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda transgressão e desobediência recebeu a justa transgressão, como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos, depois, confirmada pelos que a ouviram, testificando também Deus com eles, por sinais, milagres, e várias maravilhas, e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade”.
  • No versículo 13 diz: “Antes, exortar-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado”. A exortação é uma tábua de salvação. Vejamos o conselho paulino, quanto a profecia: “Mas o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação” (1Co 14.3). O escritor aos Hebreus manda que as exortações sejam diárias. Pedro disse assim: “Pelo que não deixarei de exortar-vos sempre acerca destas coisas, ainda que bem as saibais e estejais confirmados na presente verdade” (2Pe 1.12).
  • O pecado embrutece, quer dizer, endurece o coração do homem. O escritor aos Hebreus diz: “Para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado” (3.13b).
  • Antes, aquele coração brando, suave, recebia a Palavra de Deus com tanta satisfação, mesmo que, muitas vezes com lutas e provações, como os crentes em Tessalônica: “Porque o nosso evangelho não foi a vós somente em palavras, mas também em poder, e no Espírito Santo, e em muita certeza, como bem sabeis quais fomos entre vós, por amor de vós. E vós fostes feitos nossos imitadores e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, como gozo do Espírito Santo” (1Ts 1. 5,4). Porém o pecado endureceu-o, e agora a palavra chega, mas não surte mais efeito, por causa da dureza no coração, causada pelo engano do pecado.
  • No versículo 14, diz: “Porque nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim”. Vai até ao fim. O céu não será para os que param no meio da caminhada. Não será para aqueles que começaram, mas sim, para aqueles que terminaram a sua caminhada: “ – O coro do hino 291 da HC.
  • Veremos agora, alguns versículos dentro da carta aos Hebreus, que nos fala sobre perseverança, e o perigo que corremos de cair, caso não permaneçamos fiéis aos Senhor:
    a)A incredulidade impedirá a muitos de adentrarem no Reino dos Céus: “Vemos, pois, que não puderam entrar por causa da incredulidade” (Hb 3.19). Aqui temos a figura de Moisés, que arruinou o Tipo, quando feriu a rocha duas vezes (Ex 17. 5-7; Nm 20. 7-12; Hb 9.24-26; 10.10-12,14; Nm 20.24; 27.12-14)
    b) É necessário esforço de cada um daqueles que estão no caminho: “Esforcemo-nos, pois, por entrar naquele descanso, a fim de que ninguém caia, segundo o mesmo exemplo de desobediência” (Hb 4. 11);“Porfiai por entrar pela porta estreita…” (Lc 13.34a).
    c) O grande perigo daqueles que já participaram dos dons de Deus, caírem: “É impossível, pois, que aqueles que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro, caíram, sim, é impossível outra vez renová-los para o arrependimento, visto que, de novo, estão crucificando para si mesmos o Filho de Deus expondo-o à ignomínia” (Hb 6. 4-6).
    d)“Desejamos, porém, continue cada um de vós mostrando, até ao fim, a mesma diligência para a plena certeza da esperança” (Hb 6. 11).
    e)“Guardemos firme a confissão da esperança sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel. Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o dia se aproxima” (Hb 10. 23-25).
    f) Há possibilidade de um crente que conheceu a palavra de Deus plenamente, viver voluntariamente no pecado? “Porque, se vivemos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados” (Hb 10. 26); Continua o escritor: “pelo contrário, certa expectação horrível de juízo e fogo vingador prestes a consumir os adversário” (Hb 10. 27). Se o remédio que é o Evangelho, não fizer efeito nas vidas, então já não resta mais sacrifício a ser feito. É como um enfermo, que o médico aplica o remédio certo, mas, ele não reage. Então o médico vai desenganá-lo.
    g)É possível um santificado profanar o sangue de Jesus? De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue do testamento, com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça?” (Hb 10. 29). Então ele exorta: “Não abandoneis, portanto a vossa confiança; ela tem grande galardão. Com efeito, tendes necessidade de perseverança, para que, havendo feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa”; “Todavia, o meu justo viverá pela fé; e, se retroceder, nele não se compraz a minha alma. Nós, porém, não somos dos que retrocedem para a perdição; somos, entretanto, da fé, para a conservação da alma” (Hb 10. 35-39).
    h) Pode haver amargura no coração dos salvos? “Atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus; nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados” (Hb 12. 15). Ver 25,28.

Portanto, aprendemos neste estudo, que a perseverança dos salvos que receberam a graça de Deus para a salvação, e pelo suprimento dessa mesma graça, permaneçam lutando e se esforçando para ir até ao fim.

Que Deus em Cristo vos abençoe!

Pr. Daniel Nunes da Silva

Compartilhar é se importar!