Coral Cântico de Moisés celebra 55 anos

A música sacra sempre esteve presente no repertório das Assembleias de Deus no Brasil, que desde os seus primórdios tem incentivado a prática do canto em suas congregações. Exemplo disso é o Coral Cântico de Moisés, um dos grupos mais antigos da igreja em Campina Grande, que neste mês de maio celebrou 55 anos de fundação.

O culto em ação de graças ocorreu no domingo (5), envolvendo dezenas de pessoas na Congregação Nova Jerusalém. “Da história do coral foi do ano de 1964, quando eu comecei, o primeiro hino que eu coloquei no coral para fazer o teste de voz foi o hino do Cantor Cristão e aquele hino chamou muita a atenção dos irmãos porque é um hino muito bonito e eu apesar de novo ainda, vindo recente do Templo Central, iniciei os trabalhos com esse coral”, relembra o pastor Edson Lira, regente do Coral Cântico de Moisés.    

Nas palavras do pastor Dari Ferreira, o momento se mostrou oportuno para reafirmar a importância do louvor na Casa de Deus. “Nesta festa, neste dia festivo, que o Coral Cântico de Moisés reservou para celebrar a Deus 55 anos de louvor é uma bênção, porque é um louvor que vem do fundo do coração, um louvor que nós sentimos realmente a adoração a Deus”, destacou o líder do Setor 11 da IEADCG.

Amante da música sacra, o pastor Abel Nunes ministrou no evento destacando o poder do louvor na vida cristã. “Quando vejo algo dessa forma o meu coração alegra. Até porque é bonito ouvirmos um solo, ouvirmos algum outro tipo de louvor, mas a Bíblia fala de coros angelicais e eu amo coral.  Nascido dentro da igreja, eu gosto da música e o coral na igreja para mim é uma das vozes mais lindas para louvar ao Senhor, que é a verdadeira música sacra”, disse.

A irmã Madalena da Nóbrega está no grupo desde o início e tem testemunhado os feitos do Senhor ao longo dos anos. “Eu fui uma das primeiras componentes desse coral e eu me sinto muito feliz de até hoje estar nesse coral.  Deus tem feito muitas maravilhas na minha vida, nos meus filhos, tem dado muito livramento e para mim é uma grande vitória e tem me dado vitória até hoje e vai me dá até o fim”, testemunhou.  

Quem também tem uma longa trajetória no coral é o evangelista José Alves. Esse apreço pela música surgiu há 48 anos. “Pela primeira vez que eu vi um coral cantando, eu senti esse desejo, eu senti este amor de fazer parte do coral e até hoje eu tenho participado de todas as festividades deste coral. É um coral que eu amo muito, me sinto muito alegre, me sinto feliz em fazer parte do mesmo, contou emocionado.

Para reforçar a mensagem central do culto prestado pelo Cântico de Moisés, o Grupo Getsêmani destacou, por meio de jogral, a fé de Abraão e a providência divina no Monte Moriá.

Outra corista veterana é a irmã Marta Nóbrega, que tem dado continuidade ao legado musical de sua mãe. “Minha mãe era Maria Rafael, muito conhecida para os antigos da igreja. Então, ela também era soprano e tinha um timbre de voz muito belo. Em casa, ela cantava muitos hinos e aquilo foi, de certa forma, me tocando até que eu tomasse a decisão e também ingressasse no coral”, relatou a corista.

Ainda segundo o pastor Dari Ferreira, o culto festivo mostra-se enquanto um marco para a igreja em Campina Grande, que através de seus corais tem anunciado, por meio da música, as grandezas do Senhor. O nome Cântico de Moisés é muito sugestivo, porque depois de uma grande vitória, Moisés convocou todo o povo de Israel, toda a congregação para agradecer a Deus. E  não há maneira melhor de agradecer ao Senhor do que louvando a Ele. Então, é exatamente isso que o coral Cântico de Moisés está fazendo durante esses 55 anos”, completa.  

Reportagem: Karem Vasconcelos / Victor Posse
Imagens: Veneziano Gonçalves

Compartilhar é se importar!