Ex-muçulmano compartilha testemunho em 17ª Conferência Missionária

Os dias 2 e 3 de novembro foram especiais para aqueles que amam Missões. A Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Campina Grande (IEADCG) abriu as portas do Templo Central, no bairro da Prata, para promover a 17ª Conferência Missionária, trazendo este ano o foco no Islamismo, a segunda maior religião do mundo, com cerca de 1 bilhão e 700 milhões de muçulmanos.

De acordo com o Pr. Daniel Nunes da Silva, presidente da IEADCG: “O Islamismo é um tema ainda novo, porque o Nordeste ainda não teve um impacto digamos assim, com a religião islâmica. Porém devemos estar nos preparando, pois eles têm vindo ao Brasil até por necessidade, muitas vezes, e nós devemos estar preparados para apresentar Cristo para eles. Ganhá-los para Jesus”, disse.

Irmão Mehdi

A programação contou com a presença do ex-muçulmano, irmão Mehdi, que apresentou dados importantes sobre o Islã. “O Islamismo hoje é a religião que mais cresce no mundo. Só no Brasil nós temos 2 milhões de muçulmanos e eu creio plenamente que a entrada dos muçulmanos aqui não é maldição, ao contrário, é benção. Já que nós não queremos pregar o Evangelho pra eles, então Deus está trazendo eles, para que a gente possa evangelizá-los. Eu vejo isso como uma grande oportunidade para a igreja de Cristo”, falou irmão Mehdi.

Em sua palestra, o público pôde aprender sobre os pilares da religião Islâmica, bem como orientações para compartilhar a fé cristã com os muçulmanos. “Minhas orientações, orientações do Evangelho: amá-los. Mas isso não significa que a gente concorde com eles. Preguei o Evangelho para eles, mas jamais abrimos as nossas mãos das nossas crenças evangélicas. Se aproximar deles, criar um relacionamento com essa gente. Não é todo mulçumano um homem bomba – não! – mulçumano é um povo carente da graça de Deus. E quando ele conhece Jesus se torna um embaixador do Evangelho. Eu sou prova viva disso”, destacou o convidado.  

De acordo com o secretário da SEMAD-CGPB, Pr. Pedro Tadeu Maia, o intuito da igreja é, a partir desse contato com o irmão Mehdi, firmar parcerias para se alcançar o Continente Africano. “Temos a nossa proposta de plantar sementes em território islâmico. Nós não temos nenhum missionário na África, o Norte da África ele é um campo aberto, e essa parceria com a MEABI, cujo missionário Mehdi é vice-presidente, abre uma perspectiva para que irmãos, aqui da nossa igreja, possam se preparar”, lembrou.

Encorajados a obter mais informações sobre o mundo islâmico, os participantes ampliaram a visão quanto a essa urgência missionária, conforme destacou a missionária de base, Joselma Gaião: “Diante do conhecimento adquirido, é bem verdade que precisamos mais, mas o conteúdo que está sendo dado hoje na conferência tem sido de grande valia e de despertamento para a gente buscar mais, desperta-nos a conhecer mais, e a buscar por mais conhecimento”, lembrou.

Para o Pr. Geovandro Ferreira, secretário adjunto SEMAD-CGPB, é necessário que a igreja esteja envolvida ativamente em eventos desse tipo, uma vez que “nós temos o papel de estar informando, estar realmente engajando as pessoas que têm aquela chamada e para muitas pessoas falta à oportunidade, e a conferência missionária ela vem trazer isso, essa oportunidade de aproximar mais as pessoas que realmente querem ter mais informações, e se dedicarem na obra missionária”.

Bandeiras das nações onde a igreja atua

Além das palestras, os participantes trocaram idéias sobre os trabalhos desenvolvidos nas igrejas, além de conhecer os demais projetos da Secretaria de Missões que ficaram expostos no stand com um vasto material dos palestrantes, inclusive, informações e boletins sobre os missionários que são mantidos pela Assembleia de Deus em outros países.

Os cultos noturnos envolveram o público em momentos de conscientização e aprendizado sobre a obra missionária. O colorido das bandeiras e as roupas típicas dos países, deram o tom ao evento, que destacou a glória do Senhor entre os povos.

Na abertura, as nove nações onde a Assembleia de Deus cumpre o Ide de Cristo estiveram representadas. A ocasião foi oportuna para divulgar os trabalhos evangelísticos que a Secretaria de Missões tem desenvolvido. Um convite para aqueles que desejam abraçar a causa. “Hoje nós mostramos vários projetos que a SEMAD executa. Então, as pessoas querendo se engajar elas têm até o que escolher como, por exemplo, a consagração Missionária e os eventos de cruzadas. Nós temos 12 projetos para que a gente possa se envolver no Ide de Cristo juntamente com a SEMAD-CGPB”, destacou Ana Maria Santiago, que é missionária da base.  

A conferência seguiu com a participação dos departamentos do Templo Central, que prepararam louvores e encenações para abrilhantar ainda mais o evento. Trazendo à tona a situação em que se encontra a humanidade pecadora, o Conjunto Geração Eleita (GE) transmitiu uma mensagem de impacto aos presentes: “A gente tem que levar o Ide no nosso dia a dia,na nossa vida, porque é importante levar luz às pessoas que estão na escuridão. Esse foi o principal enfoque da peça que a gente encenou”, comentou Débora Paola Gomes, componente do GE.

Vestidas a caráter, as crianças também estiveram envolvidas na programação, aprendendo a amar desde cedo a obra missionária. “Missões para mim é o Ide que Jesus deixou para nós para nós pregarmos a toda criatura”, comentou Antônia Luiza da Silva Ferreira de apenas 8 anos. 

Pr. Edjânio Caitano

Recém-chegado ao Brasil – após 14 anos   no Equador – o Pr. Edjânio Caitano apontou passos imprescindíveis para se fazer missões além-fronteiras. “Realmente nós tratamos de conscientizar a Igreja, que a Obra do Senhor requer de um processo e precisamos ter uma estratégia, de termos uma visão de como fazer, porque temos que conquistar as nações e para isso é importante sabermos alguns passos. Então, sabemos que a Obra Missionária ela tem como foco principal apresentar Cristo como Centro do universo, da terra”, frisou o Pr. Edjânio Caitano.   

E é se empenhando em levar as Boas Novas de salvação, que a igreja se fortalece para enfrentar novos desafios.“A conferência missionária é um momento de limpar para que o fogo, a chama missionária ela venha arder ainda mais e possamos avançar. A igreja não pode parar Ela tem que continuar. Então, a obra missionária, a conferência missionária, ela vem trazendo essa benfeitoria para a igreja. Muitos que estão adormecidos daqui a pouco se desperta e estão aí fazendo Missões”, finaliza o Pr. Daniel Nunes da Silva.      

Reportagem: Leonarda Barros / Victor Posse
Imagens: Veneziano Gonçalves / Pedro Henrique / Jonathan Alves

Compartilhar é se importar!