Projeto evangelístico alcança crianças em bairros carentes de CG

Grupo Infantil Familiar no bairro do Belo Monte em CG

Um projeto evangelístico desenvolvido pela Igreja Assembleia de Deus em parceria com o Centro de Apoio Missional e Pastoral (Camp Brasil) tem adentrado em diversos lares em Campina Grande e reunido crianças não cristãs ao conhecimento acerca da palavra de Deus.

De acordo com a coordenadora da União Infanto Juvenil da IEADCG, Gláucia Maria Leal, os Grupos Infantis Familiares (GRIF) iniciou as atividades há cerca de um ano e já contempla vários bairros da cidade.

Nós implantamos no mês de março de 2019, com a autorização do nosso pastor presidente. Os grupos infantis tem como base o estudo das lições em módulos fornecidos pelo Camp Brasil, que é uma organização institucional que dá apoio evangelístico as crianças. Nós estamos já com 97 crianças, sendo discipuladas, são 11 grupos infantis formados, em famílias onde há áreas de risco, e esse trabalho tem sido uma benção”, disse

No bairro do Belo Monte, 10 crianças se reúnem com as líderes e a cada encontro, elas plantam a semente do evangelho no coração dos pequenos. Com dinâmicas, recursos visuais e a contação de histórias o grupo vai tendo uma visão cronológica das escrituras sagradas.

Nós estamos aqui sempre dando aula, ensinando a palavra de Deus para as crianças e já estamos no segundo módulo ‘O Mergulho’. Nós estamos ensinando para eles sobre o pecado, como o pecado entrou no mundo e como através dele todos se tornaram pecadores. E tudo isso a gente tem ensinado a eles”, lembrou Márcia da Silva.

Além disso, o convívio da liderança com as crianças é mais próximo, tornando possível atender as dificuldades de cada um, conforme informou Raylla Kelly do Nascimento.

Nós acompanhamos de perto essas crianças e temos visto a necessidade da casa, temos compartilhado a vivência deles, então assim é uma experiência nova, que ao mesmo tempo as crianças recebem a palavra de Deus e nós recebemos o carinho deles e isso também nos faz crescer espiritualmente”, falou.

Para a coordenadora adjunta da UNIJAD-CG, Rosilene Silva, esse projeto realizado com crianças não evangélicas contribui também para que a criança compreenda com mais clareza as lições e tenha liberdade para tirar as dúvidas que porventura permeiam seus pensamentos.

A partir do momento em que você evangeliza pequenos grupos, há um relacionamento melhor, eles ficam mais abertos para fazerem perguntas, para responderem também. E para o líder, aquela pessoa que esta ali ajudando, orientando, amparando, vai ser bem mais fácil, porque a gente pode fazer um atendimento melhor para eles”, destacou Rosilene.

A cada lição as crianças aprendem valores, mudam suas atitudes e desenvolvem novas habilidades, possibilitando transformações significativas em suas vidas.

A pequena Emilly Fernandes de Lira, de 8 anos descreveu bem o que já aprendeu no grupo. “Melhorei a leitura, aprendi a estudar a bíblia e a orar. E chamei meus amigos e varias para participar”, disse.

Com essa mesma idéia, Renaly Nascimento de 13 anos, já começou a freqüentar a igreja e também tem compartilhado o evangelho com seus familiares.

Eu gostei da igreja, e disse a minha mãe: vamos para a igreja, porque minha mãe era de ficar dentro de bar bebendo, dançando. Então ela foi comigo e aceitou Jesus. Aí eu levei minha irmã pequena, levei minha avó, meu primo de 14 anos, vai comigo também participar, e eu estou puxando devagarzinho meu pai e meu avô. Aí eles devagarzinho estão indo comigo”, explicou Renaly.

Três grupos infantis reunidos para a feirinha na Congregação Lírio dos Vales

Do outro lado da cidade, mais crianças também tem sido alcançadas através do GRIF. No sábado (8), três pequenos grupos se reuniram dentro da congregação Lírio dos Vales na comunidade São Januário, para realizar uma programação diferenciada.

A liderança organizou uma feirinha, com diferentes itens para a criançada adquirir, através dos chequinhos recebidos como recompensa pelo bom desempenho em sala de aula.

Maria Eduarda da Silva (11), não escondeu seu desejo de participar do evento. “Eu estava muito ansiosa para esse dia chegar”, disse.

Já a pequena Valeska Barbosa, (10) lembrou o que mais gosta de fazer no grupo. “eu gosto sempre de estar com meus amigos, sempre batalhando para ganhar muitos cards e gosto também do discipulado”, destacou.

Esse é o resultado de muito esforço dos líderes nesse setor. Segundo Suênia Barbosa foi preciso desenvolver diferentes estratégias para garantir o aprendizado das lições.

A realidade delas é bem difícil, são crianças de idades avançadas, mas naturalmente não são alfabetizadas. E a dificuldade maior é essa, então a gente trabalha com formas de gestos, de músicas – os louvores nos ajudam muito – nos auxiliam, porque até na memorização do versículo a gente faz com gestos, e isso facilita a memorização”, disse.

Diante dos resultados apresentados por esses pequenos grupos, a coordenação da UNIJAD já organiza os próximos passos desse projeto.

Nós cremos que esse ano de 2020 vamos estar encerrando o primeiro grupo, o grande grupo de discipulado, onde terão uma formatura, e nesse período nós vamos estar trabalhando e preparando essas crianças para adentrarem na escola dominical, para adentrar no departamento infantil. Porque essas crianças já estão sendo inseridas no trabalho da igreja, e nós louvamos a Deus porque muitas delas não eram cristãs e agora já se decidiram por Cristo e já fazem o trabalho na obra do Senhor”, finalizou Gláucia.

Reportagem: Leonarda Barros
Imagens: Veneziano Gonçalves