A IGREJA

Somos uma igreja comprometida com a proclamação do genuíno Evangelho de Cristo, cumprindo assim a ordenança que Ele nos deixou (Mc 16:15). Com quase um século de história, nossa trajetória é marcada por incontáveis vitórias e o mover sobrenatural do Espírito Santo.

Nossos membros e congregados têm a liberdade de glorificar ao Deus trino e testemunhar com suas vidas a salvação alcançada por meio do sacrifício de Jesus na Cruz do Calvário. Conservando a sã doutrina, perseveramos no ensino das Escrituras, na oração, na comunhão entre os irmãos, na fé e na santidade, implantando os valores do Reino de Deus e aguardando o glorioso retorno de nosso Senhor.

HISTÓRIA

A história da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Campina Grande (IEADCG) teve início com o paraibano Manoel Francisco Dubu, o primeiro homem no Brasil a ser batizado com o Espírito Santo. Em 1912, ele aceitou a fé pentecostal pregada pelos missionários Daniel Berg e Gunnar Vingren, no Estado do Pará. E ao retornar a Campina Grande, em 17 de dezembro de 1914, trouxe aos seus conterrâneos a doutrina bíblica da atualidade do batismo no Espírito Santo e dos dons espirituais. Sob a bênção de Deus, o pentecostalismo foi se expandindo no município e resultando em salvação de almas, curas divinas e um genuíno avivamento.

No ano de 1922, o alfaiate Felipe Nery Fernandes mudou-se para Campina Grande em obediência ao Senhor e enquanto confeccionava roupas anunciava o Evangelho. Durante três anos manteve cultos em sua residência propagando as verdades pentecostais. Com isso, em 1925 o pastor Francisco Gonzaga da Silva assumiu os primeiros passos da igreja no município. No ano seguinte, o trabalho ficou a cargo do evangelista Manoel Manduca que permaneceu por um ano. Em 1927, o evangelista Manoel Pessoa Leão assumiu o cargo permanecendo até 1934. Foi durante esse período que os assembleianos construíram seu primeiro templo na antiga rua das Areias, atual Avenida Presidente João Pessoa,.

Após o pastor Manoel Pessoa, as atividades pastorais ficaram sob responsabilidade do pastor Luiz Chaves, que permaneceu por um ano sendo substituído pelo pastor João Adelgiso o qual esteve à frente do trabalho até o final de 1938. No ano seguinte, o pastor Luiz Chaves regressou à cidade, permanecendo apenas 5 meses na liderança da igreja. Em seguida, o pastor João de Paiva assumiu permanecendo como pastor em Campina Grande até outubro de 1944, quando chegou o pastor Silvino Sylvestre e com ele uma nova fase para a IEADCG.

Foi no ano de 1945, sob a orientação divina, que o pastor Silvino deu início à construção do atual Templo Sede da igreja no município. A obra, considerada ousada para muitos, dada a quantidade de crentes que havia na época, foi inaugurada em 1950, na Rua Antenor Navarro, número 693, no bairro da Prata.

Outro obreiro que muito contribuiu para o avanço da Obra do Senhor em solo campinense foi o pastor Francisco Pacheco de Brito. No ano de 1986, ele tornou-se presidente da IEADCG e foi um dos responsáveis pela expansão do Evangelho em toda cidade, fixando a abertura de congregações em cada bairro e alcançando os demais municípios do Estado.

Hoje, a Assembleia de Deus em Campina Grande tem como presidente o pastor Daniel Nunes da Silva (eleito em 2011) e conta com cerca de 40 mil membros, distribuídos em 102 congregações na cidade e em 108 igrejas filiadas em toda a Paraíba. A igreja também mantém missionários em dez países: Argentina, Bolívia, Cuba, Equador, Índia, Jordânia, Paraguai, Peru, Portugal e Uruguai.

Assim, com quase um século de história, a IEADCG segue a caminhada cristã proclamando a mensagem da cruz e conservando os marcos antigos que puseram os nossos pais na fé.

EM QUE CREMOS

…verbal e plenária da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé e prática para a vida e o caráter cristão (2 Tm 3.14-17).

…eternamente subsistente em três pessoas distintas que, embora distintas, são iguais em poder, glória e majestade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo; Criador do Universo, de todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, e, de maneira especial, os seres humanos, por um ato sobrenatural e imediato, e não por um processo evolutivo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29; Gn 1.1; 2.7; Hb 11.3 e Ap 4.11).

…o Filho Unigênito de Deus, plenamente Deus, plenamente Homem, na concepção e no seu nascimento virginal, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal dentre os mortos e em sua ascensão vitoriosa aos céus como Salvador do mundo (Jo 3.16- 18; Rm 1.3,4; Is 7.14; Mt 1.23; Hb 10.12; Rm 8.34 e At 1.9).

…a terceira pessoa da Santíssima Trindade, consubstancial com o Pai e o Filho, Senhor e Vivificador; que convence o mundo do pecado, da justiça e do juízo; que regenera o pecador; que falou por meio dos profetas e continua guiando o seu povo (2 Co 13.13; 2 Co 3.6,17; Rm 8.2; Jo 16.11; Tt 3.5; 2 Pe 1.21 e Jo 16.13).

…que o destituiu da glória de Deus e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo podem restaurá-lo a Deus (Rm 3.23; At 3.19).

…do novo nascimento pela graça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus para tornar o homem aceito no Reino dos Céus (Jo 3.3-8, Ef 2.8,9).

…na salvação plena e na justificação pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor (At 10.43; Rm 10.13; 3.24-26; Hb 7.25; 5.9).

…que é o corpo de Cristo, coluna e firmeza da verdade, una, santa e universal assembleia dos fiéis remidos de todas as eras e todos os lugares, chamados do mundo pelo Espírito Santo para seguir a Cristo e adorar a Deus (1 Co 12.27; Jo 4.23; 1 Tm 3.15; Hb 12.23; Ap 22.17).

…efetuado por imersão em águas, uma só vez, em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo (Mt 28.19; Rm 6.1-6; Cl 2.12).

…de termos vida santa e irrepreensível por obra do Espírito Santo, que nos capacita a viver como fiéis testemunhas de Jesus Cristo (Hb 9.14; 1 Pe 1.15).

…conforme as Escrituras, que nos é dado por Jesus Cristo, demonstrado pela evidência física do falar em outras línguas, conforme a sua vontade (At 1.5; 2.4; 10.44-46; 19.1-7).

…distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme sua soberana vontade para o que for útil (1 Co 12.1-12).

…em duas fases distintas: a primeira — invisível ao mundo, para arrebatar a sua Igreja antes da Grande Tribulação; a segunda — visível e corporal, com a sua Igreja glorificada, para reinar sobre o mundo durante mil anos (1 Ts 4.16, 17; 1 Co 15.51-54; Ap 20.4; Zc 14.5; Jd 1.14).

…de todos os cristãos arrebatados, para receberem a recompensa pelos seus feitos em favor da causa de Cristo na Terra (2 Co 5.10)

…onde comparecerão todos os ímpios: desde a Criação até o fim do Milênio; os que morrerem durante o período milenial e os que, ao final desta época, estiverem vivos. E na eternidade de tristeza e tormento para os infiéis e vida eterna de gozo e felicidade para os fiéis de todos os tempos (Mt 25.46; Is 65.20; Ap 20.11-15; 21.1-4).

…foi instituído por Deus e ratificado por nosso Senhor Jesus Cristo como união entre um homem e uma mulher, nascidos macho e fêmea, respectivamente, em conformidade com o definido pelo sexo de criação geneticamente determinado (Gn 2.18; Jo 2.1,2; Gn 2.24; 1.27).

SILVA, Esequias Soares (Org.) Declaração de Fé das Assembleias de Deus. 2ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. p. 21 – 24.

NOSSA DIRETORIA

DIRETORIA EM EXERCÍCIO 2021

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Campina Grande – PB

PR. DANIEL NUNES DA SILVA

Presidente

PR. DARI FERREIRA DA SILVA

1º Vice-Presidente

PR. SALATIEL SILVESTRE DA SILVA

2º Vice-Presidente

PR. JOCEL FECHINE DE PARCIO

1º Secretário

EV. WALLEMBERG OSÓRIO DE A. ALBUQUERQUE

2º Secretário

EV. WALDIR WALKER DA SILVA

1º Tesoureiro

AUX. ORLANDO LEOPOLDINO DE ANDRADE

2º Tesoureiro